Bem-Vindo(a) Visitante
Conectar com Facebook
Registrar!   Login
Idioma: Português - BR English
Bem-Vindo(a) Visitante
Conectar com Facebook
Registrar!   Login
Idioma: Português - BR English

História da Parnaioca - Ilha Grande - RJ

Atualizada 16/12/2015
Na década de 80, viviam na Parnaioca e nos seus sertões centenas de famílias.

Os aventureiros que caminham de Dois Rios para Parnaioca ou vice-versa, num determinado momento, passam por uma gigantesca pedra em cuja base existe um pequeno buraco, conhecida como Toca das Cinzas. Pelo estado atual, é difícil imaginar que aquele buraco já foi à entrada de uma imensa gruta que em épocas passadas, abrigou os índios e depois os escravos que ficavam ali de quarentena até serem distribuídos às fazendas. Em seu interior, chegou a comportar 1500 pessoas, o que nos faz deduzir de que de fato era um lugar bem amplo. Devido ao grande número de fogueiras usadas para a preparação de comida, se aquecer e proteger de animais acumulou-se muita cinza em seu interior. Essa evidência carbônica deu origem ao nome da toca que passou a ser usada posteriormente por caçadores e pescadores.

Apesar de abandonada no meio da mata, aquele lugar é um altar sagrado. Em seu interior os índios dançavam sob o efeito do cauim, coziam e assavam seus inimigos em grandes banquetes. Em choro, os escravos cantavam a saudade da terra longínqua e no batuque da sinhá, dançavam em torno das chamas que viraram cinza, mas que até hoje mantêm acesa essa história. Um verdadeiro monumento!
  
Na época do presídio, Parnaioca era um povoado de aproximadamente 1000 habitantes, que viviam da pesca e da agricultura de subsistência. Com as constantes fugas de prisioneiros do presídio de Dois Rios, que escolhiam como rota de escape a Parnaioca e depois seguiam contornando o mangue da Reserva até o Sítio Forte, a população passou a ser molestada pelos fugitivos, que chegavam por lá famintos e acabavam assaltando os colonos em busca de comida e mantimentos para continuarem escondidos na mata. Essa insegurança fez com que muitos procurassem outras praias para morar e alguns saíram de vez da Ilha Grande, vindo morar no continente. Em pouco tempo, Parnaioca ficou vazia; restando por lá meia dúzia de casas dos que resistem até hoje e insistem em defender aquele paraíso. Hoje vivem na praia umas poucas famílias que tiram seu sustento dos recursos naturais do lugar e dos poucos visitantes que ali pernoitam.

A praia da Parnaioca foi eleita Maravilha da Ilha Grande em quinto lugar. Conheça um pouco mais deste paraíso clicando aqui.

É fácil percebermos que Parnaioca já foi um dia habitado por um prospero povoado. Ruínas de casarões, o cemitério centenário e a Capela do Sagrado Coração de Jesus, são vestígios de um passado próspero baseado na agricultura, na pesca e no comércio de víveres e escravos. Ainda na Década de 80, viviam na Parnaioca e nos seus sertões centenas de famílias que sobreviviam da roça de subsistência, da pesca artesanal e da caça.

Era um tempo de fartura... Como costumam dizer seus moradores mais antigos. Plantava-se mandioca, inhame, milho, café, cana-de-açúcar, além de árvores frutíferas cujos exemplares ainda podemos encontrar por entre a mata. Criavam galinhas, porcos, cabras e até vacas para tirarem-lhes o leite. Feita a colheita, era hora de plantar tudo de novo e enquanto a plantação crescia, o mar estava pronto para as redes feitas de barbante e protegidas por uma resina vegetal extraída da casca da aroeira. Toneladas de peixe eram pescados num mar que não parava de fervilhar de cardumes de sardinhas, xaréus, xereletes, linguados, miraguaias, olhos-de-boi, garoupas e badejos. Como não havia energia elétrica, a conservação era através da salga, que por sinal, é o melhor sistema para se conservar o pescado.

Naquele tempo, em Dois Rios funcionava o presídio para presos políticos e o vilarejo era movimentado. Tinha campo de futebol, praças ajardinadas, cinema, padaria, vilas de casas, uma pequena hidroelétrica que chegava a fornecer luz para o Abraão, feiras livres, serrarias, britadeiras, oficinas, em fim, quase uma pequena cidade.
Os colonos da Parnaioca vendiam seus produtos para os guardas do presídio e até para os presos que queriam comer algo diferente. Com os recursos dessas vendas, eles remavam até Angra dos Reis em busca do que a terra e o mar não lhes proporcionavam, ou seja: o sal, o açúcar, o querosene, as velas, as roupas e calçados, pilhas para as lanternas entre outros supérfluos da época.

Com o fim do presídio Federal, o Estadual não foi a mesma coisa. Os presos agora eram de outra índole e o Sistema Carcerário parecia entrar na onda deles. Fugas e mais fugas, assaltos à casa de moradores para conseguir abrigo, comida e meio de transporte; assassinatos e o medo constante dos ilhéus ante a expectativa de novas fugas fizeram os poucos que restaram abandonarem suas terras em busca de melhores condições de vida.

Até por que, com o fim do presídio se intensificou a pesca predatória para suprir de matéria prima as indústrias de pescado que proliferaram por toda a Ilha Grande.
As redes não eram mais de barbante cozido, mas de nylon e gigantescas. Não eram mais puxadas à mão, mas por guindastes acoplados nos barcos que não eram mais movidos a remo, mas sim a possantes motores. Em pouco tempo não havia mais um peixe, um único camarão e nem as sardinhas puderam mais ser vistas do alto do mastro numa noite de lua nova. Era o fim de uma cultura caiçara.

Ainda hoje em alguns pontos da ilha, remanescentes desse povo lutam para morrerem onde nasceram, mas em nome da natureza que tudo domina, eles não parecem ter muitas chances. Não pela natureza, mas pela burocracia proposital.

 

© Copyright – Todos os Direitos Reservados

Deixe seu comentário

O que você achou da página, pousada, estabelecimento ou local? Conte sua experiência para nós e para os demais internautas!

Max. 250