logo1 ilha grande spazio
menu1 ilha grandeIlha Grande - A segunda das Sete Maravilhas do Rio de Janeiro. spazio
menu2 ilha grande spazio
colpr ilha grande
lmenu1
spazio spazio
- BUSCA NO SITE
- Página Principal
lmenu4
lmenu ilha grande
spazio Ilha Grande spazio
- Ilha Grande
- Horários dos Barcos
- Promoções Pousada
- Como Chegar
- Previsao Tempo
- Melhores Pousadas
- Pousadas Abraão
- Pousadas Araçatiba
- Pousadas Bananal
- Campings na Ilha
- Casas/Suítes/Flats
- Fotos Ilha Grande
- Restaurantes
- Praias Ilha Grande
- Trilhas da Ilha
- Vila do Abraão
- Informações Úteis
- Mapas Interativos
- Taxa Preservação
- História Ilha Grande - Sete Maravilhas
lmenu4
lmenu ilha grande
spazio Pousada Anambe spazio
lmenu4
lmenu ilha grande
spazio Solar da Praia spazio
lmenu4
col ilha grande
 História da Ilha Grande   
spazio
spazio
Ilha Grande Linha do tempo D. Pedro II  
Dois anos após o Descobrimento do Brasil o navegador Gonçalo Coelho que já havia batizado o Rio de Janeiro, descobriu em 06 de Janeiro a Ilha Grande. A princípio eles pensavam que a Ilha fosse um continente e ao seu leste, a desembocadura de um grande rio.
O nome surgiu por índios Tamoios que a chamavam de "Ipaum Guaçu", expressão que significa Ilha Grande.
Local preferido pelos navegantes portugueses, espanhóis, ingleses, franceses e holandeses, a Ilha Grande foi palco da história do Brasil desde a época do seu descobrimento. Em 1559, Don Vicente da Fonseca foi designado pelo Reino de Portugal para tomá-la à posse lusitana e administrá-la.
História da Ilha Grande
Indios Tamoios - Ilha Grande Em meados do século XVI, começa uma longa e encarniçada guerra de resistência à colonização européia, a Confederação dos Tamoios (1554 a 1567 - foi a segunda grande luta de resistência social havida na história do mundo, antecedida pela insurreição asteca, em 1520 - tendo sido, no entando, de proporções e duração muito maiores), contra os invasores portugueses; os Tamoios tiveram ajuda dos franceses ("mair", como os chamavam os Tupinambás), enquanto que os portugueses (chamados de "peró") foram ajudados pelos índios Tupiniquins; bateram-se ao longo do litoral brasileiro numa surpreendente extensão que alongou-se do Espírito Santo até São Paulo, tendo sido a região de Angra dos Reis um dos principais redutos da resistência indígena, fato que retardou a sua colonização por mais de meio século.
Em 1803 o povoado obtém uma identidade jurídica: Freguesia de Santana da Ilha Grande de Fora. Tornou-se um famoso entreposto do tráfico ilegal de escravos até a abolição da escravatura em 1888. Somente depois de proclamada a República, em 1891, foram criados os dois primeiros distritos: Abraão e Sítio Forte, hoje Araçatiba.
No período de 1725 a 1764, com o avanço da cultura da cana-de-açúcar, começa a acontecer a colonização da Ilha Grande, num ciclo que se estenderá até a primeira metade do século XIX. O café, introduzido um pouco mais tarde, perdurou entre 1772 e 1890, chegando, inclusive, a ser exportado para a Europa. Com o término da escravidão, na segunda metade do século XIX, a cultura do café tornou-se inviavél e foi abandonada. A Ilha Grande entrou em um período de decadência. No mesmo período, ocorreu o fim da "Invencível Armada" Lusitana. Desse fato resultou a intensificação do contrabando do Pau-Brasil e muitos outros tipos de contrabando. No século XIX, D. Pedro II visitou a Ilha Grande. Ele ficou encantado pela sua beleza e tranqüilidade.
Resolveu adquirir a Fazenda do Holandês (hoje, Vila do Abraão) e a de Dois Rios. Na Fazenda do Holandês foi construído o Lazareto, que serviu de centro de triagem e quarentena para os passageiros enfermos que chegavam ao Brasil (mais especificamente nos casos de cólera) chegando a atender mais de quatro mil embarcações durante seus 28 anos de funcionamento.
D. Pedro II na Ilha Grande
Ipaum Guaçú - Ilha Grande A água para abastecer o Lazareto foi desviada do Córrego do Abraão, sendo para tanto construída uma barragem e o Aqueduto, um dos monumentos de maior importância histórica da Ilha Grande. Existe, ainda hoje, perto da barragem, o banco de pedra, denominado "Banco de D. Pedro", utilizado pelo Imperador para descanso.
Em 1903 foi criada a Colônia Correcional de Dois Rios. Por outro lado, o Lazareto foi desativado, passando a funcionar como presídio político. No final da Revolução Constitucionalista de 1932, seus internos passaram para a Colônia Correcional de Dois Rios. Posteriormente o Lazareto chegou a ser demolido, perdendo assim, a Ilha Grande, o seu mais importante patrimônio histórico e cultural.
Em 1940 foi construído em Dois Rios o Instituto Penal Cândido Mendes, com capacidade para mil presos de alta periculosidade. À convivência dos presos políticos do regime militar com os presos comuns, dentro dos muros do presídio, é atribuida uma das origens do chamado "crime organizado", pontuando com acontecimentos marcantes, tais como, fugas de helicóptero e outros, com ampla cobertura da mídia nacional e internacional; a presença do presídio vem notorizar a Ilha Grande, por aspectos diametralmente opostos à sua beleza natural e importante significação histórica. Presídio de Dois Rios - Ilha Grande
Barco Tenente Loretti - Ilha Grande No ano de 1994, o Governo do Estado do Rio de Janeiro, através do Governador Leonel Brizola, faz a demolição da maior parte das dependências do presídio. Com a decadência da agricultura, inicia-se a regeneração de capoeiras nas áreas abandonadas e etapas superiores de sucessão vegetal.
Hoje a atividade pesqueira veio substituir a agricultura decadente, e teve inicio na década de 30 do século XX, com a salga de peixe. Na década de 50, a pesca chega ao auge, quando chega a vinte o número de "fábricas de sardinha" instaladas na Ilha Grande.
Ultimamente, com o declínio da atividade pesqueira, inicia-se o desenvolvimento do turismo e juntamente com este, vem aumentando a especulação imobiliária, visando a instalação de grandes complexos turísticos e condomínios fechados para veranistas, a Ilha Grande resiste. Gonçalo Coelho - descobridor da Ilha Grande


* Uma revisão histórica, anunciada pelo almirante Max Justo Guedes na "Conferência dos 500 anos" de Angra dos Reis, promovida pela prefeitura em 2002, trouxe à luz a oficialidade sobre o nome do verdadeiro descobridor: o navegante Gonçalo Coelho
Antes deste tratado o navegante André Gonçalves foi por muitos anos considerado o descobridor da Ilha Grande.
Esta revisão foi feita com base na fonte: "Tratado Descritivo do Brasil", de Gabriel Soares de Souza.

Bibliografia:
Apontamentos para a história do Rio de Janeiro, Angra dos Reis e Ilha Grande.
Carl Egbert Hansen Vieira de Mello



Rodrigo Spilare sexo
itacuruça rj
16/06/2014
Por morar bem perto costumo frequentar este paraiso com frequencia,oque venho percebendo e que estao assacinando as belezas da ilha grande,estao superpopulando a ilha ,a ultima vez que fui na volta havia um grupo de pessoas que traziam agua do mar de la para o continente em um imenso galao e sacolas transparentes,e umas coisas dentro de caixas de peixe que pareciam ser corais pelo barulho que fazia ,e as pessoas estavam com snokel e pes de pato ,acho que a ilha tem que ser mas fiscalizada se nao infeliznente iremos perder esta beleza de lugar
Marcos sexo

26/03/2014
Marilda Nunes Cândido disse:
"boa noite a todos. meus avós maternos e partenos nascerão na ilha grande, portanto meus pais tbm nascerão..."

Testemunhamos um milagre! Uma pessoa que nasceu antes dos avós e dos pais! Isso é incrível, uma vez que ela disse que os avós e os pais nascerÃO e não nascerAM.... rsrsrs

Brincadeiras à parte, estou muito desejoso de conhecer esse paraíso. Vamos ver se nos meses que seguem tenho esse privilégio....
katia de queiroz leite sexo
Rio De Janeiro
07/03/2014
Estive na Ilha Grande no carnaval de 1978, pois meu tio era comandante da Ilha nessa época. Lá, comi o melhor peixe que já havia provado, preparado por "Seu Julio", um presidiário com regalias, que saía todos os dias pela manhã para pescar nosso almoço.
Só atualmente me dou conta do enorme contraste entre os privilégios que experimentei e as torturas que aconteciam do outro lado da ilha, no presídio.
S. NEVES PEREIRA sexo
São Paulo
22/01/2014
Apenas um comentário. Li que a imigração japonesa chegou a Ilha Grande, nos idos de 1970. Nasci na Praia da Longa, em 1950. Toda minha familia. Minha mãe, trabalhou em uma das salgadeiras (tratamento de sardinhas), onde seus donos eram Japoneses, (Sr. Pedro e Sra. FUMICA.)antes do meu nascimento.
Déia sexo
Santo André - SP
17/01/2014
Um dos lugares mais lindos que já conheci, pessoas incríveis, indico o "Camping do Bicão", lugar familiar, estruturado e perto de tudo, para conhecer a Ilha e fazer um rolezinho de barco, indico a Agência "Vento Forte", para comer uma comidinha boa na Praia de Dois Rios "Quentinha do Seu Getulio", na Praia do Abraão é o melhor lugar ( em infra estrutura para quem não quer pagar veneno rs.....
Maria Rosa Costa Cruz sexo
Rio de janeiro
07/11/2013
Oi, meu nome é maria rosa, meu pai era nativo da Ilha Grande o nome dos meus avós, também de lá, eram Zulmira Rosa do Rosário e José Gonçalves Cruz.
Meu pai, Benedito Cruz, nasceu perto do presídio em maio de 1928, numa aldeia de pescadores. A maioria dos nossos parentes são de lá.
Por favor mandem fotos. Grata.
olma francisco gonçalves sexo
Belo Horizonte
18/09/2013
Quando agente chega diante da estrutura demolida do Lazareto, parece que estamos "mortos". Ninguem reinvidica a reconstrução da nossa história. Precisamos resgatar e cobrar a nossa história. Vocês não acham!!!!!!!
marilda nunes candido sexo

29/12/2012
AINDA TENHO PARENTES NA ILHA GRANDE O IRMÃO DE MEU PAI MORA EM PALMAS NA POUSADA DO SOL E PRIMOS TBM. TENHO VOTADE DE SABER O Q HOUVE COM A CASA ONDE NASCI Q PERTECEU A MEU AVÓ. FICA LOGO NA CHEGADA DE PALMA ANTES DA SUBIDA PARA LOPES MENDES, SEI Q UMA PARTE DA FAMILIA DE MEU PAI VIVE LÁ.
Ricardo Lopes sexo
Rio de Janeiro
27/12/2012
Dizem que o dono do CampingdoLucio, na vila do Abraão, foi um dos militares do presidio que está localizado na Praia de Dois Rios. Não é atoa, que o seu camping é cheio de regras e normas rigidas para quem acampa no mesmo.
Willi Salveter sexo
Ilha Grande
13/11/2012
Consta neste texto, que os Indios Tamoios deram o nome de "Ipaum Guaçu" pra Ilha Grande. Como então, ainda pode falar no mesmo texto, que a Ilha foi descoberta por um tal de Coelho? Pode dizer que o Sr. Coelho foi o primeiro europeu a chegar na Ilha, mas a descoberta dela já foi efetuada, parece, bem antes.
Está na hora de incluir os Indios como um fator importante na historia do Brasil, e nao somente como algo folclórico e pitoresco.
CRISTINA BARROS sexo
RIO DE JANEIRO
02/10/2012
Minha origens também são da Ilha Grande, minha historia está total mente intrelaçada com a Ilha Grande. Meus avós também eram da Parnaioca. Minha fámilia foi marcada por história de amor e tragédias vividas na Ilha. Hoje sempre quando posso visito a Ilha, algum dia vou escrever sobre os acontecimento que deixaram marcas em nossas vidas, em especial aos mais velhos.
Wagner sexo
Embu das artes/sp
24/09/2012
quem é o autor desse livro presidio da ilha grande??



>> Linha do tempo       
ft01 ilha grande spazio
ft11 ilha grande spazio
        WebMaster
Dedicado a todos que amam e respeitam este lugar. ® Direitos Autorais Reservados